dezembro 02, 2009


Sobra-me tempo quando não estou contigo
O tempo é medido no tempo do teu olhar
profundo
a navegar
fundo
dentro dos meus olhos
O tempo meço-o no tempo que duram os teus lábios
a ancorarem na minha boca
O tempo é o tempo das tuas mãos a fazerem-se quentes
conchas minhas
O tempo conto-o no tempo do teu abraço
a galgar-me o corpo
todo pele minha
tua
O tempo só é tempo
enquanto deitas a tua cabeça no meu peito
Enquanto no teu sorriso
nasce o meu riso
Enquanto no teu corpo se encaixa o meu
feito puzzle
amor-perfeito
Enquanto o meu coração
gosta de ser teu
Sem ti
sobra-me tempo
amor
sem qualquer sentido


(Maria)

(imag Net: Abrazo/Montserrat Gudiol i Corominas)

1 comentário:

Vento disse...

A saudade costuma bater levemente num crescendo sem controlo.

Beijo