Abril 01, 2013

...

@Joseph Cartright

não sei se brisa
se prenúncio de vendaval
ser

o que sinto.
sentindo-te sem te ver

- devia ser proibido-

(maria)

Março 30, 2013

num fio

(@Abescat Charles)


 num fio
                                                                           
                                                                     
a descer
em ondulação cintilante
uma gota
um sopro
uma palavra soprada
errante
espelha o chão


procura 

o mar   
guarda de lágrimas
de chuvas e espumas ásperas

....também de amores 
renascidos em perplexas maresias



(longo é este navegar
para nunca te (des)encontrar)

(maria)

  ( *__

Março 09, 2013

monólogo

imagem: Lorenzo Mattotti
                                                                          

                                                                           como vês
                                                                     o que nos separa
                                                                     não é o vermelho

 
 
                                                                        ou o tempo 
                                                                nem mesmo a distância

                                                                         porque não?
                                                                         porque sim
                                                                                           como se.
                                                                        
                                                                         pois será 
                                                                                            como se
                                                                        
                                                                         marés
                                                                        
                                                                         finitas
                                                                         as de ontem
                                                                         as seguintes
                                                                         infinitas

      
                                                                        não e sim
                                                                           agora
                                                                          depois
                                                                           muito 
                                                                          demais 
                                                                                              como se                                                            

                                                                        não existisse 
                                
                                                                        o pássaro
                                                                        a asa
                                                                        o voo
                                                                        o verde
                                                                        o azul
                                                                        o cada dia
                                                                        eterno de tão terno.
                                                                                                 
                                                                                             como se


                                                                        o quase fosse tudo                                                  
                                                                        e ainda assim mais
                                                                             

                                                                             (maria)                                                       
                                                                   

                                                                      






Julho 08, 2012



só  para dizer que estou viva


mas, tal como disse Saramago:
"Se não disseres nada compreenderei melhor [...] há ocasiões em que as palavras não servem de nada".


P.S: Voltarei. Sei que sim.


maria


Imagem: Paulo Nozolino

Julho 09, 2011

“milionésima parte de diferente”


(da Net: desconheço autor)


A “milionésima parte de diferente” 
faz a essência
do meu desejo de te ter para sempre 
e não querer mais nada ter

Sem te ter
muito
tenho ainda para querer

(maria, caçando estrelas)

http://youtu.be/djGeF0kTzVQ

Junho 25, 2011

...

estreita-se a madrugada
e na calçada as pedras tremem
geladas
gemem blues e melancolia
teço-me em lágrimas 
ainda assim
 
o mar 
a lua
 
os olhos teus
na direcção dos meus
-talvez-

compondo o retrato da solidão
(maria)
Imagem: da Net

Junho 21, 2011

...


        e de tudo o que me habita e em segundos se aparta de mim 
        
         só a brisa enfeitiçada
               
        a bailar descalça na maresia à beira mar
       
        permanece eterna
                 
                                      abrigo do meu olhar
                                                                                           
                           sem lágrimas para não molhar o mar


(maria)

foto: DevianArt, Ineed Chemical IX

Maio 21, 2011

tem nuvem



Tem nuvem
que duvida que possa nadar

braçada mole
braçada d´alma
ao sol
ao luar

Depois vira  chuva
perplexa
murmura
escorre
se agita
grita

se liquefaz
transborda
se afunda

No fim de tudo fica o mar
desejoso de a abraçar

(maria)

foto: Gregory Colbert

Maio 20, 2011

se perguntarem diz...



Se perguntarem
diz
que voei
e não sei se vou voltar
diz
que parti
abri a janela
fugi de mim

Se perguntarem
diz
que desisti
vesti-me de folha
rolei com o vento
fugi de ti

Diz
que tomei rumo
não quero mais ficar
Amar-te
é culpa minha
se gota és
e meus olhos te vêm como mar

Se perguntarem
diz
Amor

não quero mais te sonhar

(Maria)

Imag: I. Cunningham

Abril 23, 2011

sobre corações



Apertados andam os corações.
Começam por bater de mansinho, o compasso sobe de tom, descompassam e sem se darem conta perdem o rumo. O desvario é repentino, gritam, ordenam, imploram, sangram, e a dor que sentem tolda-lhes de seguida os batimentos.
É um pouco assim que eu sinto o meu. Em desalinho. Saracoteando-se sem tino. Pronto a deixar-se devorar. Sem mais.
Escrevo  e sinto que ele se aquieta. Provavelmente à espera de se ver desvendado nas palavras que desenho (as palavras podem ter algo de perigoso). Ou não. É sabido que os corações têm razões que a própria razão desconhece.
As histórias dos corações costumam ser atribuladas.
Sobretudo as dos corações desprevenidos e inseguros. Mais ainda as dos corações arrojados, e as dos ditos "insanos de amor", corações húmidos de transpiração, reféns de doces e vorazes incêndios.
E depois...depois, há  as histórias dos corações desalentados, quase sempre histórias muito insossas.  São corações que vivem eternos dias de céus cor de chumbo e nuvens fartas, à espera do milagre das gotas que teimam em não tombar.
São eles que perdem inusitadamente o fôlego ao primeiro rodopio. Com um sopro ficam-se exaustos e adormecem em longos sonos letárgicos, lisos em demasia, sem sonhos. Quando acordam, contentam-se com um tímido bater das asas e desfalecem de novo. Ou simplesmente ficam-se a olhar. A ver os outros passar. São corações-passarinhos, tolhidos pelo medo.
E as dos corações-meninos, eternamente aninhados em corpos de gente graúda? Diz-se que as histórias destes são, quase sempre, deliciosas e ousadas, repletas de pulsares espontâneos, prazeres etéreos e emoções que raramente alcançam o fundo dos sentidos. Histórias de sabonete e água, paixões caídas em escorregadio chão. Podem ser histórias também tristes.
E as dos corações zangados,  submergidos em altos mares bravios, ensurdecidos pelo estilhaçar de destemperados relâmpagos, raios e trovões. Ardem, azulando em incandescentes desamores. São histórias de final infeliz.
Por vezes, correm rumores da existência de histórias de corações felizes... aqueles que mansos e discretos se juntam em abraços e se passeiam, mundo fora, de mãos dadas, sem gastar  o amor de uma só vez.  Conhecem de cor todas as cores, o recomeço dos rios e são exímios a ludibriar a dor. Negoceiam com as estrelas ao anoitecer.
Mas dizem, os entendidos, que esses não têm história.

(maria)

foto: Net