fevereiro 12, 2011

ah...os dias.



(hoje, nada aconteceu. nem mesmo a cidade se insinuou)

(imag Net)


há dias assim
doentes
ausentes
sem gosto por mim


sem palavras nem ventos
nem encantamentos
nada me cativou
quedei-me à porta de mim


há dias assim

doídos
feridos
fingidos
mascarados de noites
fugidos
de mim

(maria)

8 comentários:

mary alves disse...

é. há dias assim..."doídos, feridos, fingidos...".
Simplesmente belo.
Bj

Mel de Carvalho disse...

Haverá, por certo, Maria. E tantos são. Todavia, em cada nova alvorada, há, aqui e além, o soletrar de uma fonte na boca da terra, o sol a despir-se no mar e,
em cada uma de nós, a força das raízes.

Gratidão num beijo amigo
Mel

Anónimo disse...

Comento? Não comento....Estou nesses dias assim...afinal eles existem ainda que os tente ignorar...são dias...
No entanto tu existes nesses dias e nos outros, para nos deleitar de prazer ao ler-te!
Beijo Moon, do Star

Nilson Barcelli disse...

Outros, porém,
são contentes
presentes
com gosto por ti
Com palavras em cataventos
de encantamentos
tudo te cativa
e sais da porta de ti

Apeteceu-me... as tuas belas palavras encantam...

Querida amiga, boa semana.
Beijos.

A.S. disse...

Em cada dia há um poema por criar!
E em cada hora vazia,
quando a tristeza chegar,
abre a porta à poesia...
deixa-a entrar!


Beijos...
AL

don vito andolina disse...

Hola, bello blog, preciosas entradas,si te gusta la palabra interminable, la poesía,te invito al mio,será un placer,es,
http://ligerodeequipaje1875.blogspot.com/
gracias, buen domingo, besos múltiples..

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, vim à procura de mais...
Como não há, reli o teu belo poema e deixo-te "apenas" um beijo.

Nilson Barcelli disse...

Para quando mais palavras e outros ventos para os meus encantamentos?
Volta, estás perdoada...
Beijos, querida amiga.